18 melhores técnicas de geração de ideias

Publicados: 2015-05-15

Ideias são coisas que vêm e vão e com bastante frequência. No entanto, as ideias realmente excelentes geralmente surgem inesperadamente em momentos de inspiração. Torna-se mais fácil ter grandes ideias quando nos libertamos dos pensamentos mundanos, cotidianos e convencionais que ocupam o espaço do pensamento em nosso cérebro.

18 melhores técnicas de geração de ideias

Shutterstock.com | CHAINFOTO24

Este artigo fornece 1) uma breve nota sobre os três estágios da idealização bem-sucedida e 2) 18 técnicas de geração de ideias matadoras .

BREVE NOTA SOBRE AS TRÊS ESTÁGIOS DA IDEIA BEM-SUCEDIDA

Uma organização precisa seguir três estágios principais: geração, seleção e implementação para uma idealização bem-sucedida.

Estágio # 1: Geração

Para muitas empresas, fazer uso da ideação para resolver um problema ou requisito específico é frequentemente um bom ponto de partida. A maioria das empresas pode identificar facilmente esses tipos de necessidades - a principal decisão é se elas contribuem para uma abordagem de ideação. Após a solução do problema, surgem duas outras oportunidades importantes para a utilização da ideação: competências essenciais e percepções do consumidor.

As competências essenciais, no que se refere à ideação, têm a ver com a alavancagem da ideação para desenvolver as habilidades de uma empresa. Nesse tipo de ideação, a organização está em busca de novas aplicações ou novos mercados para serviços / produtos existentes.

As percepções do consumidor, com referência à ideação, têm a ver com a utilização de princípios da pesquisa de mercado convencional (por exemplo: grupos de foco e pesquisas) e sua implementação no contexto de um ambiente de compartilhamento conjunto de idéias. As pesquisas são eficazes, embora haja algumas desvantagens: os entrevistados não seriam capazes de ver outras respostas (para votar a favor / contra ou comentar) e as taxas de resposta geralmente são muito baixas. Mesmo os grupos de foco são eficazes, embora não consigam atingir o ápice da ideação online devido a fatores como restrições de preço que os impedem de acessar um grupo maior de participantes.

Etapa 2: Seleção

Escolher as melhores ideias para um negócio online começa muito antes do início do processo de idealização. É essencial que você estabeleça os critérios pelos quais as ideias devem ser avaliadas, quem seria responsável por avaliá-las e como as ideias principais seriam fornecidas às equipes internas em questão para avaliação ou execução posterior. Um processo de seleção adequado começa com o uso de etiquetas ou rótulos para organizar as ideias em grupos significativos. Um exemplo seriam as etiquetas dispostas ao longo das linhas de produtos (como telefone, laptop, tablet) e as etiquetas sendo um nível inferior, concentrando-se nos atributos (navegação fácil, portátil, bateria de longa duração, peso leve) e / ou nos recursos (tela, operação sistema, interface). A rotulagem e a etiquetagem devem ser seguidas de priorização para garantir que as idéias mais essenciais cheguem ao estágio de aplicação / execução.

Etapa 3: Implementação

O sucesso da implementação depende da capacidade da organização de escolher as principais ideias e agir com base nelas. Também depende da organização ter fluxos de trabalho apropriados em vigor para que os grupos certos participem no momento apropriado nas três etapas do processo de idealização. A composição desses fluxos de trabalho (que exigem funções e aspectos de responsabilidade específicos) é muito essencial para as organizações, se quiserem iniciar qualquer empreendimento de ideação. As pessoas nas funções designadas devem estar prontas para aceitar novas ideias que não vêm de dentro da empresa e possivelmente podem ser incentivadas ou reconhecidas por sua prontidão para implementar a nova abordagem.

18 TÉCNICAS DE GERAÇÃO DE IDEIAS DE ASSASSINOS

1. SCAMPER

SCAMPER é uma técnica de geração de ideias que utiliza verbos de ação como estímulos. É um tipo bem conhecido de lista de verificação desenvolvida por Bob Eberie que ajuda a pessoa a ter ideias para modificações que podem ser feitas em um produto existente ou para fazer um novo produto. SCAMPER é um acrônimo em que cada letra representa um verbo de ação que, por sua vez, significa um prompt para ideias criativas.

  • S - Substituto
  • C - Combine
  • A - Adapt
  • M - Modificar
  • P - Colocado para outro uso
  • E - Eliminar
  • R - Reverso

2. Brainstorming

Este processo envolve engendrar um grande número de soluções para um problema específico (ideia) com ênfase no número de ideias. No decorrer do brainstorming, não há avaliação de ideias. Assim, as pessoas podem expor suas ideias livremente, sem medo de críticas. Mesmo ideias bizarras / estranhas são aceitas de mãos abertas. Na verdade, quanto mais maluca a ideia, melhor. Domesticar é mais fácil do que pensar.

Freqüentemente, as ideias são combinadas para criar uma boa ideia, conforme indicado pelo slogan “1 + 1 = 3”. O brainstorming pode ser feito individualmente ou em grupos. O grupo de brainstorming típico compreende de seis a dez pessoas.

3. Mindmapping

Mindmapping é uma técnica gráfica para imaginar conexões entre várias informações ou ideias. Cada fato ou ideia é escrito e então conectado por curvas ou linhas ao seu fato ou ideia menor ou maior (anterior ou posterior), construindo assim uma teia de relacionamentos. Foi Tony Buzan, um pesquisador do Reino Unido, que desenvolveu a técnica de “mapeamento mental” discutida em seu livro 'Use sua cabeça' (1972). O mapeamento mental é utilizado em brainstorming, planejamento de projetos, resolução de problemas e anotações. Como é o caso de outros métodos de mapeamento, a intenção por trás do mapeamento cerebral também é capturar a atenção e obter e enquadrar informações para permitir o compartilhamento de conceitos e ideias.

Para começar a fazer mapas mentais, o participante só precisa escrever uma frase ou palavra-chave no meio da página. Em seguida, ele deve escrever qualquer outra coisa que vier à sua mente na mesma página. Depois disso, ele deve tentar fazer as conexões mencionadas no parágrafo anterior.

4. Sinética

A sinética é uma técnica de geração de ideias criativas e solução de problemas que desperta processos de pensamento dos quais o sujeito pode não estar ciente. É uma maneira de abordar a solução de problemas e a criatividade de maneira racional. O crédito pela criação da técnica que teve seu início na Arthur D. Little Invention Design Unit, vai para William JJ Gordon e George M. Prince.

O estudo Synectics se esforçou para investigar o processo criativo enquanto ele está em andamento. De acordo com JJ Gordon, três suposições principais estão associadas à pesquisa da Synectics.

  • É possível descrever e ensinar o processo criativo
  • Os processos de invenção nas ciências e nas artes são análogos e desencadeados pelos mesmos processos "psíquicos"
  • A criatividade de grupo e individual são análogas

5. Storyboarding

O storyboard tem a ver com o desenvolvimento de uma história visual para explicar ou explorar. Os storyboards podem ajudar as pessoas criativas a representar as informações que ganharam durante a pesquisa. Imagens, citações do usuário e outras informações pertinentes são fixadas em um painel de cortiça, ou qualquer superfície comparável, para representar um cenário e auxiliar na compreensão das relações entre as várias ideias.

6. RPG

Na técnica de representação de papéis, cada participante pode assumir uma personalidade ou papel diferente do seu. Como a técnica é divertida, pode ajudar as pessoas a reduzir suas inibições e ter ideias inesperadas.

7. Lista de atributos

A listagem de atributos é uma abordagem analítica para reconhecer novas formas de um sistema ou produto, identificando / reconhecendo áreas de melhoria. Para descobrir como aprimorar um produto específico, ele é dividido em partes, as características físicas de cada componente são anotadas e todas as funções de cada componente são explicadas e estudadas para ver se alguma mudança ou recombinação danificaria ou melhoraria o produto.

8. Visualização e prompts visuais

Visualização é pensar nos desafios visualmente para melhor compreender o problema. É um processo de incubação e iluminação em que o participante faz uma pausa no problema em questão e se concentra em algo totalmente diferente, enquanto sua mente, subconscientemente, continua a trabalhar na ideia. Isso se transforma em uma fase de iluminação em que o participante repentinamente obtém uma diversidade de soluções e as escreve rapidamente, criando assim novas linhas paralelas de pensamento.

Os prompts de imagem ajudam muito quando se trata de permitir que o cérebro estabeleça conexões. Essas instruções podem ajudar a trazer à tona emoções, sentimentos e intuições. Isso os torna particularmente úteis para o brainstorming de soluções para desafios inovadores que envolvem pessoas e problemas com uma causa raiz psicológica ou emocional profunda.

Para começar a usar prompts de imagem, o facilitador distribui um conjunto de imagens pré-selecionadas - cada participante recebe uma. Ele também pede aos participantes que escrevam todas as idéias que vierem à sua mente quando olharem para a imagem que possuem. De acordo com Bryan Mattimore (atualmente co-fundador da The Growth Engine Company), as imagens devem ser visualmente interessantes, retratando uma multiplicidade de assuntos e devem representar pessoas em muitos tipos variados de relacionamentos e interações com outras pessoas.

Depois disso, os participantes formam duplas e usam mais tempo, compartilhando e conversando sobre as ideias que surgiram e fazendo um brainstorming de mais soluções para o problema / desafio existente. Por último, os vários pares apresentam as suas ideias ao resto do grupo.

Mattimore sugere adaptar os visuais ao caráter do desafio que os participantes têm de resolver. Portanto, se o desafio for da indústria de manufatura, você pode considerar a possibilidade de obter imagens de natureza industrial. No entanto, você definitivamente deve incluir algumas imagens irrelevantes ou aleatórias, porque podem ser esses tipos de imagens que acionam as soluções mais inovadoras.

9. Análise morfológica

A análise morfológica tem a ver com o reconhecimento dos aspectos estruturais de um problema e o estudo das relações entre eles. Por exemplo: imagine que o problema é transportar um objeto de um lugar para outro por meio de um veículo motorizado. As dimensões significativas são: o tipo de veículo (carroça, tipoia, cama, cadeira); a fonte de energia (motor de combustão interna, ar comprimido, motor elétrico); e o meio (ar, superfície dura, trilhos, rolos, óleo, água). Assim, um tipo de carroça de veículo movendo-se sobre serviços pesados ​​com um motor de combustão interna para movê-lo é o automóvel. A expectativa é que seja possível determinar algumas novas combinações.

10. Relacionamentos forçados

É uma técnica fácil que envolve a união de ideias totalmente diferentes para se ter uma ideia nova. Embora a solução possa não ser estritamente única, ela freqüentemente resulta em uma variedade de combinações que geralmente são úteis. Muitos dos produtos que vemos hoje são a saída de relacionamentos forçados (como um relógio digital que também tem uma calculadora, cartões musicais de aniversário e canivete suíço). Muitas dessas ideias podem não ser descobertas revolucionárias, mas ainda assim são produtos vantajosos e geralmente têm um mercado potencial na sociedade. Robert Olson forneceu um exemplo de analogia forçada em seu livro 'The Art of Creative Thinking'. Ele compara diferentes aspectos da estrutura de uma organização corporativa com a estrutura de uma caixa de fósforos.

11. Sonhar acordado

Embora a maioria não tenha recebido aprovação, sonhar acordado é realmente uma das maneiras mais fundamentais de desencadear grandes ideias. A própria palavra “devaneio” involuntariamente desencadeia um processo de pensamento desinibido e lúdico, incorporando a criatividade e desenvoltura do participante para brincar com o problema presente. Ele permite que a pessoa estabeleça uma conexão emocional com o problema, o que é benéfico em termos de ter uma ideia maravilhosa. O foco do devaneio produtivo é um objetivo particular, independentemente de parecer uma tarefa impraticável. Muitos inventores famosos se envolveram em devaneios no passado, lançando ideias que contribuíram para invenções que mudaram a vida. O avião é o exemplo mais notável disso. Se os irmãos Wright não tivessem deixado sua imaginação correr solta pensando em voar, provavelmente ainda estaríamos viajando de balsa.

12. Pensamento reverso

Como o próprio termo 'pensamento reverso' sugere, em vez de adotar a maneira lógica e normal de encarar um desafio, você o inverte e pensa em ideias opostas. Por exemplo: 'como posso dobrar minha base de fãs?' pode mudar para 'como posso ter certeza de que não tenho fãs?' Você pode notar que a maioria dos participantes acharia mais fácil produzir ideias para o 'desafio negativo' simplesmente porque é muito mais divertido. No entanto, não gaste muito tempo na geração reversa de ideias - cerca de 10 a 15 ideias erradas está bom. Depois que uma sessão termina, você pode continuar na atmosfera da ideia reversa com um novo desafio ou então fazer a reversão mais uma vez para torná-la mais forte. Um exemplo para o último é “Nunca vou atualizar nenhuma das minhas redes sociais”, mudando para “Vou sempre atualizar todas as minhas redes sociais”.

13. Questionando suposições

A maioria das indústrias tem uma ortodoxia - crenças tácitas, mas profundamente arraigadas, de que todos aguardam para que as coisas sejam feitas. Infelizmente, eles não conseguem perceber que, ao questionar as suposições em cada etapa do desenvolvimento de um serviço ou produto, eles podem realmente permitir o nascimento de novas possibilidades e ideias.

Eis como Mattimore sugere que se questione as suposições: Os participantes devem começar estabelecendo a estrutura para o desafio criativo. Depois disso, eles devem produzir de 20 a 30 suposições (independentemente de serem verdadeiras ou falsas). A próxima etapa é selecionar várias suposições das muitas geradas e utilizá-las como gatilhos de ideias e iniciadores de pensamentos para gerar novas ideias.

14. Gênio acidental

Gênio acidental é uma técnica relativamente nova que utiliza a escrita para desencadear as melhores ideias, conteúdo e percepção.

15. Brainwriting

Brainwriting é fácil. Em vez de pedir aos participantes que expressem ideias, eles devem escrever suas ideias relativas a um problema ou pergunta específica em folhas de papel, por um pequeno número de minutos. Depois disso, cada participante pode passar suas ideias para outra pessoa. Essa outra pessoa lê as ideias no papel e adiciona algumas novas. Após mais alguns minutos, os participantes individuais são novamente levados a passar seus papéis para outra pessoa e assim o processo continua. Após cerca de 15 minutos, você ou outra pessoa pode coletar as folhas delas e publicá-las para uma discussão instantânea.

16. Desejando

Essa técnica pode ser iniciada pedindo o inatingível e, em seguida, fazendo um brainstorming de idéias para torná-lo ou, pelo menos, uma aproximação dele, uma realidade. Comece tornando os desejos tangíveis. Deve haver colaboração entre os membros da equipe para produzir de 20 a 30 desejos relativos ao seu negócio. A imaginação de todos deve ser encorajada a correr solta - quanto mais bizarra for a ideia, melhor. Não deve haver restrições ao pensamento.

A próxima etapa é concentrar-se em alguns desses desejos inatingíveis e utilizá-los como estímulos criativos para desencadear ideias que são novas, mas mais práticas. Mattimore sugere que a equipe desafie o problema de diversas perspectivas (imagine como uma pessoa de outro planeta ou de outro setor ou profissão o veria) ou reflita sobre isso. Esse tipo de representação ajuda a afastar-se dos padrões de pensamento convencionais para ver novas possibilidades.

17. Socializar

Se os funcionários apenas andassem com colegas e amigos, eles poderiam se ver em uma rotina de raciocínio. Deixe-os utilizar todas as conexões do LinkedIn para iniciar algumas conversas fantásticas. Perspectivas renovadoras ajudarão a trazer à tona um novo pensamento e, provavelmente, um ou dois raios. Socializar no contexto da ideação também pode significar conversar com outras pessoas sobre tópicos que nada têm a ver com o problema atual.

18. Colaboração

Como o termo indica, a colaboração é sobre duas ou mais pessoas que se unem para trabalhar por um objetivo comum. Os designers frequentemente trabalham em grupos e se envolvem na criação colaborativa ao longo de todo o processo criativo.

Técnicas de geração de ideias de Hershey Desai

Como fica bem claro neste blog, a era da geração de ideias convencionais e chatas já se foi e é hora de abraçar técnicas de criação de ideias divertidas e inovadoras. Conforme mencionado anteriormente, quanto mais criativo for o processo de pensamento, mais malucos e provavelmente melhores serão as ideias e soluções que podemos esperar.